21 de jun de 2010

Come closer my real love !

Depois de tanta coisa, tanto mal entendido, tanto chumbo trocado gostaria que nos despíssemos de nossas armaduras, limpássemos nossos rostos da poeira toda que levantamos e pudéssemos nos olhar cruamente. Isso porque eu tenho a certeza que veremos exatamente o que queremos. Temos o melhor um do outro. Come closer my love, more closer!

Your loving is so good, so good, the closer
I want it, I want it...
I want to get closer to you baby
Experience
I want it, I want it
Generous
Lay down what's impeding you
Cause I want to get closer to you


17 de jun de 2010

Born to be wild?


                                                                                ( imagem via)

Queria ter a coragem de ser artista. De viver de arte, respirar arte, produzir arte e viver disso. E caramba, haja coragem ! Queria ter a certeza que o que vejo atráves de lindas fotos é resultado de uma linda inspiração - sim, eu sei que não é tão somente - um ensaio de divino sabe. As cores bonitas, tudo muito bem produzido, as pessoas sorridentes e trabalhando com arte. Eu amo arte. De várias maneiras que não as tradicionais diga-se de passagem. Acho que se eu fosse um pouco mais corajosa seria artista. Se eu acreditasse um pouco menos no coro de sempre do tradicionalismo. Mas claro, tendo me rendido ao coro tento colocar um pouco de cor àquilo que escolhi para mim. Mas é dificil mesmo. Nem tudo você pode pintar do jeito que quer. E sem dúvida é muito diferente ter uma tela em branco te esperando, uma folha desejosa pra ser escrita, um violão esperando para ser dedilhado, uma latinha de spray e uma parede implorando por criatividade...sim é diferente das limitações do mundo cientifico. Mas acho que é justamente porque o pessoal que está do lado tradicional da coisa se distancia da arte que as coisas são como são. Claro que temos alguns exemplos de pessoas que não são artistas mas que tentam fazer de sua rotina um pouco mais colorida  - quando digo isso me vem imediatamente à cabeça aquele gari super simpático do Carnaval. Levar um pouco de arte para o que você faz, qualquer coisa que seja, seria maravilhoso. Tento sim, mas é tão dificil. Me perco quando saio um pouco do meu "mundo cientifico" e posso estar em contato com fotos, peças, roupas, musica, grafites, esculturas. Não, não consigo ir a nem metade das exposições, peças e mais milhares de coisas que vivo antenada para saber ( o que mais frequento mesmo é o cinema). Gostaria de ir mais, mas também acho que ficaria um pouco desejosa de fazer parte das coisas sendo construtora disso. O que mais impressiona são as mais diversas formas de se fazer isso. Admiro as pessoas que deixam seu lado artistico aflorar e mais ainda quem decide fazer isso da vida. É bonito, mesmo. Acho essencial entedermos o papel de cada um no mundo. O que me faz simplesmente não abandonar o que faço e virar artista não é apenas falta de coragem, mas também porque acredito que existem formas  de trabalho que abrangem mais pessoas do que a arte. Por mais triste que seja, sabemos que a arte não interessa a todos e ás vezes aos que interessa não é acessível. Quero dizer que também acho que a arte trabalha com uma parte essencial do indivíduo - que  é o prazer - mas a saúde também trabalha com o essencial. Em resumo são duas formas de  beneficiar outras pessoas com o que se sabe fazer, sendo apenas distintas e sabidamente de diferente abrangência. Sabe como é essa falsa ideia das pessoas de que vida de artista é fácil?  - ah, quando digo artista passo bem longe de definições globais ok ,digo arte genuína. Não acho que seja fácil, assim como a vida cientifica também não é. Mas que às vezes me parece mais bonito ser artista do que ser doutora isso sim não posso negar. É um lado meu que existe e que tento ao máximo exercitar por mais que tenha algumas limitações. Mas sigo tentando pintar meus quadros das cores que me são possiveis, observando o mundo, refletindo, conversando e tentando ser a melhor pessoa possível para as pessoas que eu amo...ah, vai amar é uma arte !

16 de jun de 2010

Tout ce que je voulais...

                                                                                                               (imagem via)

Minhas férias mais do merecidas estão contando os dias para esse momento de contemplação. Livrinho bom, mar lindo, céu azul, meu amor lindo ao lado...tout ce que je voulais.

7 de jun de 2010

" ... tão estranha é a vida sobre a Terra. "


                                                                             (imagem via)

O que está sendo agora? Uma divisão de duas realidades. O que está sendo agora? Um cair de cara na própria realidade. Ainda assim me recuso a banquetear o coro dos que entoam que tudo é assim. Eu não acredito e ponto final.
Quando fica o medo e uma sensação de desamparo não será contra o outro que acharei meu conforto. Este devo procurar dentro de mim e seguir minha vida e continuar a olhar as coisas não com os mesmos olhos, porque isso seria ignorar os fatos, mas com um acolhimento justo do que é meu e do que passou. Eu senti medo, muito medo. Mas recuso a pensar e a gritar por aí que só medo sentirei. Mudarei meus hábitos? Talvez. Mudarei meus caminhos? Quase que certamente. É triste sentir isso e pensar na história que antecedem fatos, pensar no que leva as pessoas a amedrontarem outras e se apropriarem do que não lhes pertence. O que leva o ser humano a seu estado mais vil? Não sei. Só sei que vi.
As esquinas me parecem mais sombrias? Pode ser. Mas certamente tudo que eu não quero é trazer  isso para dentro de mim. Sei que ser como antes é  tarefa quase impossível. Os olhares atentos a cada minima particula supeita com certeza me farão pensar e repensar, refletir e concluir o que aqui falo. Mas existirão e só isso já me incomoda. Não que não existissem antes mas, agora que a insegurança reina no meu dia a dia -  nos meu passos acelerados, no meu pescoço que se vira e que se vira e vira mais, nos meu braços trêmulos agarrando a bolsa e cruzados protegendo o coração -  agora que isso faz parte de mim, sinto que não tem mais volta. Gostaria que fosse diferente e que um lugar assim tão lindo - não só a minha cidade mas o mundo todo em que vivemos - não fosse tão violentado pela violência.
Fiquem atentos, olhos abertos e coração na mão. Não, não para a neurose!
Para o lugar comum.

p.s.: o trecho do texto do titulo foi extraído daqui.