11 de mai de 2010

# growing up.

Eu sou uma pessoa que faz mil coisas desde sempre. E se não fosse assim não seria eu. Não me vejo de outra maneira. Sou aquela pessoa que está sempre procurando mais coisas para fazer mesmo tendo um dia de 24 horas como todas as pessoas ( e não um de 48 como eu também gostaria). Eu aprendo uma pontinha de uma coisa e me basta para querer ler, discutir, aprofundar. Acho que em certos momentos não temos muita noção de que NÃO, não conseguiremos fazer e aprender  tudo da maneira como gostaríamos. Vamos nos deparar com gostos que mudarão, desejos caminhado para outro lado. Vamos entrar na casa dos nossos pais, sim a casa deles. Vamos desejar entrar na nossa e perceber que ainda falta um pouco pras coisas se realizarem. Vamos olhar pra trás e ver que aquele grande desastre serviu mesmo pra alguma coisa e não era historinha de quem queria te ver mais tranquila e sem chorar.
Tenho pensado muito no quanto tenho aprendido tanto em um espaço de tempo tão curto. Percebo que a experiência mais enriquecedora da minha vida passa rápida, veloz, corrida e profunda. Como eu mudei. E faz tão pouco tempo que eu era a mesma. Ainda não sei os caminhos certos para matar essa minha nova sede pelos fatos. Não sei mesmo. Mas penso que gosto, sei disso. Penso que quero mais, desejo.
Penso também na minha vida de antes e em tudo que quero manter. Ser e não ser. Mudar e parar. Equilibrar.
Pensar na pessoa que estou me tornando pouco a pouco a cada dia. Não sei se esse texto pode soar estranho ou confuso ( talvez seja mesmo só o reflexo da minha cabeça que pende para o lado de questões) mas que essa foi a  melhor descrição do que sou agora, essa sim foi.

Um comentário:

Mel disse...

Engraçado, quando eu tinha a sua idade (eu tentei não falar assim, mas não tem outra forma! rs) eu tinha bem menos maturidade e autoconhecimento. Tem aquela frase de "Sócrates" que pra mim é bárbara: "Conhece-te a ti mesmo". ESta é a chave pra muitas curas, muitas respostas e fortalecimentos. Não dá pra conhecer o mundo e enfrentar o mundo, sem nos conhecer profundamente. Parabéns pela maturidade e equilíbrio.
beijos!