25 de out de 2011

Uma manhã de sol e um senhor de barba branca

Leonardo Boff esteve na UERJ nesta segunda feira. Sim, em plena manhã de segunda feira de sol no Rio de Janeiro lá estava ele com seu suspensório e barba branca adentrando, a pouco menos de um metro de minha pessoa, o auditório número 11. Entrei logo em seguida ávida por um lugar, em um auditório com capacidade para 250 pessoas, que me permitisse ficar bem próxima. As pessoas lá fora, se esbarrando pelo cofee break oferecido nem se tocaram quando ele chegou e esse foi o motivo de eu ter conseguido um lugar tão bom (logo na segunda fileira, já que a primeira era de lugares reservados). 
Poucos minutos se passaram para que a lotação máxima fosse alcançada e digo até que algumas pessoas ficaram do lado de fora espreitando da maneira como podiam.
Estava lá eu, sentada e quieta esperando o momento que ele começasse a falar. E foi exatamente como eu achei que seria sem tirar nem por uma vírgula ou "causo" contado. Aula na segunda-feira de manhã? Ah, quem liga para isso. Não tive nem um grama de pesar na minha consciência por conta disso.
Por mais acessível que Leonardo Boff seja, e ele inclusive já foi professor da UERJ, há de se considerar sua idade já avançada, o fato de ele residir em Petrópolis e mais ainda de integrar mais ativamente rodas mais fechadas (conferências da ONU, reuniões para a Iniciativa Internacional Carta da Terra, dentre outros). Desta maneira não dava para deixar pra lá o fato de que eu simplesmente poderia descer alguns lances de escada e assistir e participar, for free, de discussões riquíssimas. Aproveitei certamente. Minha semana começou com dois pés direitos.
Ao sair da palestra, comprei o livro que eu queria e precisava (Crise - Oportunidade de Crescimento), dei mais alguns passos e, aproveitando mais um momento de dispersão por conta de outro cofee break oferecido, pude alguns minutos depois ter uma breve conversa com o senhor de barba branca que gentilmente autografou meu livro. Apertou minha mão, fez uma reflexão sobre meu nome (falou sobre a obra Ana Karenina) e me deu um sorriso.
Me despedi com um desejo de bom dia, coração apertado e a cabeça em erupção. Ganhei meu dia.





"Ana Carolina. Faça da crise fonte de crescimento. Leonardo Boff"
                                                        
A palestra dele fez parte de um evento maior que discutia a Prevenção de Suicídios da UERJ - Projeto UERJ pela Vida e certamente foi gravado. Quando estiver disponibilizado para assistir colocarei o link aqui.
Boa semana a todos! =)

2 comentários:

natália das luzes disse...

meu namorado e minha sogra são fãnsassos dele : )
deve ter sido emocionante mesmo ver ele de tão perto ^^

Lya disse...

fofa!