17 de ago de 2010

Sonho de um ano sabático

                                                                        Janne

Quem sabe um dia eu possa ter um ano sabático. Me dar ao luxo ( ou seria o ócio?) de me ausentar de tudo para me encontrar mais comigo. Botar em prática a fala da professora da faculdade que afirma e reafirma que DEVEMOS sim, fazer apenas o que gostamos e se, não soubermos o que fazer aos 17 não há problema ( afinal como ela mesma diz e eu concordo isso é cruel ), e que devemos então viajar ! Imaginem viajar. 
Até hoje não sei se ela fala de maneira séria. Não que eu ache um completo absurdo , até porque na minha atual relação com com a faculdade, ter tido um ano sabático  - ou seja, um ano a mais para pensar em todos os aspectos que envolvem escolher uma profissão - certamente me levaria para outros caminhos. Não, não acho que é uma idéia nonsense, mas me parece uma coisa meio...impraticável.
E nem me refiro a ficar um ano inteirinho viajando, mas sim alguns meses e passar o resto do ano de folga. Pode ser que eu esteja falando bobagem, mas isso é quase inconcebível pra mim. Ou talvez a minha visão sobre um ano sabático esteja por demais abstrata. Um dos dois.
Afinal o que seria em sua essência um ano sabático?
Querer fugir da realidade e ficar vagando por aí  ou uma experiêcia muito boa em busca de autoconhecimento? Pode parecer óbvio para algumas pessoas qual a resposta "adequada", mas para mim é uma grande questão. 
Portanto, quando eu decidir no fundo do meu coração se eu desejo um ano sabático pra mim ou se acho quem faz isso um fanfarrão burguês , descreverei aqui meus planos para um ( aos trinta anos, claro, depois de ganhar dinheirinho trabalhando e não fazendo meus pais pagarem ok ) ou escreverei mais um texto longo e reflexivo.
Até !

p.s.: Ahh, a foto que ilustra o post tem a seguinte legenda: "Ele acaba de voltar de um ano sabático. Seu primeiro trabalho na nova fase vai ser na Stockholm Fashion Week, que começa semana que vem!". Sabe, não resisti quando vi a foto e como eu já estava com essa coisa de ano sabático na cabeça tive de escrever. Mas bem, voltar de um ano sabático com um trabalho num super evento de moda? Assim até eu tô sorrindo na foto !

Um comentário:

Mel disse...

Carolzinha,
Nas minhas férias conheci uns estrangeiros que estavam viajando há meses... achei tão louco, isso. Tinha um trio que atravessou o oceano de navio, carregando um jipe (!!!) e só não subiu o Brasil de jipe porque a alfândega portuária não permitiu a entrada dele - claro, aqui não é a casa da mãe Joana, embora pareça rsrsrs. Teve mais gente, uma australiana que tinha feito America do Norte, Brasil e estava indo pra Bolívia. Ficava me perguntando quem paga estas viagens? Sem dúvida seria uma ótima forma de conhecimento e autoconhecimento. Igual aquele garoto que não queria mais estudar e o pai dele disse: ok, então vamos assistir um filme por dia e discutir estes filmes. Tesão, né? E acho sim que ter que saber o que se quer da vida aos 17 anos é crueldade. E hipocrisia de quem exige.
Beijos!!!